terça-feira, 29 de junho de 2010

LAR CRISTÃO

O lar cristão é a coluna basilar da Igreja como a família é a “célula mater” da sociedade – pátria. Se houver um bom testemunho no lar, o nome de Cristo será glorificado e vidas serão atraídas para o evangelho. Vivemos dias de desagregação da família. A influência negativa de certos programas de televisão e de outros veículos de comunicação penetrando nos lares, dia e noite, ameaçam seriamente a harmonia e a estabilidade da família. O lar evangélico tem o sagrado dever de manter o equilíbrio, a firmeza e a unidade da família que deve ser alicerçada no conhecimento e na experiência da Palavra de Deus. (2 Tm 3:14-17). Vamos discorrer o assunto em quatro aspectos:

I – ASPECTO SOCIAL
Uma família que vive, verdadeiramente, os conselhos da Palavra de Deus é, também, um lar que alcança as promessas divinas que trazem paz, prosperidade, harmonia e felicidade a todos que procuram viver conforme os ensinos das Sagradas Escrituras. A vida cristã vivida por parte de cada membro d família, segundo a Palavra de Deus e em submissão à sua vontade, contribuirá, certamente, para o fortalecimento da harmonia entre seus componentes, capacitando-os a enfrentarem, unidos, as tendências liberalistas e permissivistas da sociedade moderna, preservando, por conseguinte, os santos princípios estabelecidos para os povos que conhecem ao Senhor. (Josué, 24:14-15; 2Tm 3:14-17).
A vida social cristã, na família, concorre até para seu equilíbrio e prosperidade econômica e financeira, bem como para o seu aprimoramento ético e moral. Os lares cristãos são o alicerce de toda uma sociedade no meio do qual se vive e se convive. (Gn 23:3-6; 23:12-18). O lar cristão deve ser sempre um espelho em que todos possam mirar-se e corrigir-se e um e exemplo a ser seguido.(1 Ts 4:1).

II – ASPECTO RELIGIOSO
O aspecto religioso implica diretamente na vida devocional do lar evangélico. Os tempos modernos têm usurpado da família os preciosos momentos da oração. É importante que os pais orem com os filhos e parentes com aquela tranqüilidade propícia de quem busca a presença de Deus, até receber a Sua bênção. (Cl 4:2-3); 1 Tm2:1-3). A família que dedica, cotidianamente, alguns minutos de oração em conjunto é a famílias que experimenta a comunhão com Deus e que se mantém em comunhão uns com os outros. A vida de oração em família é uma força indestrutível na preservação dos laços de fraternidade e unidade do lar cristão.
Muitos problemas são solucionados miraculosamente e a paz e o amor sempre reinam no lar cristão que cultiva sua vida devocional dedicada à oração e ao estudo da Bíblia, não só nas Igrejas em dias de culto, como em casa, no recinto e na intimidade familiar. (Dt 6:6-9).

III – ASPECTO ESPIRITUAL
Nem sempre uma pessoa religiosa é uma pessoa espiritual. É por demais importante que seja religiosa e espiritual. O religioso pode colher frutos de sua religiosidade, mas nem sempre transborda para os outros. O crente pode ser religioso e ser um egoísta. Há muita religiosidade que é problemática. A religiosidade deve andar de mãos dadas com a espiritualidade. Quando oramos, estudamos a Bíblia, vamos à igreja ou a trabalhos fora da igreja, devemos fazê-lo espiritualmente. Isto é, com toda a potencialidade do espírito.
É possível que alguém leia a Bíblia, vá à igreja, contribua, entregue os dízimos, cante, pregue e faça assistência social, mas que o coração esteja vazio do Espírito. Tudo faz pela razão ou pela responsabilidade pessoal assumida com a igreja ou consigo mesmo.
A espiritualidade vem do interior; do interior para o exterior. O religioso é observado por todos, mas o espiritual a todos contagia. Aquele que vive a vida cristã no lar não só influencia mas modifica, sobretudo, as pessoas.
A espiritualidade do crente é uma força poderosa na transformação do comportamento diuturno da família. À medida que as pessoas vão crescendo em santidade de vida, toda prole e parentela recebem as influências benéficas de vidas que vivem no altar.A espiritualidade de uma vida cristã no lar produz furtos que alcançam gerações (2 Tm 1:5) e glorificam o Nome de Jesus. Sejam os lares nossas igrejas uma extensão da própria igreja na maneira de viver de cada um de seus membros, quer social, religioso ou até espiritualmente. O lar cristão é o espelho da Igreja. Os outros familiares verão a Igreja. Os familiares verão a Igreja através da vida que cada crente leva na intimidade do lar. Se o crente deseja levar seus parentes a Cristo e para sua igreja, terá que viver uma vida cristã, autêntica, em família. Que cada lar cristão seja um instrumento de Deus para condução de seu integrantes não salvos a Jesus, pelo exemplo e ação de cada membro da família de Cristo. (Mt. 12:43-50).

IV – LAR INABALÁVEL
Estamos numa época que não somente os lares estão sendo atacados, mas verdadeira fundação do lar: o casamento. Recentemente, li um artigo que diz a respeito de duas grandes invenções do homem: o automóvel e a televisão. O automóvel leva a família para fora do lar, para o mundo; e a televisão, trás o mundo para dentro de casa. Ambas as invenções de grande utilidade, mas ambas podem ser e estão sendo usadas por Satanás para enfraquecer o lar. Vejamos alguns itens para um lar inabalável:

a)Um lar é inabalável quando o Senhor – No texto de Jó 1:1-5, vemos que Jó santificava constantemente os seus filhos. Levantava-se de madrugada orava ao Senhor e santificava o lar. Mas o mesmo não se ouve que os seus filhos faziam. A piedade deve ser individual. Os pais podem ensinar os filhos, mas os mesmos precisam também buscar o Senhor. Cabe ao Senhor guardar o lar das setas do inimigo mas o esposo, que é o sacerdote do lar, deve entregar, diariamente, o lar à proteção do Senhor. Em Pv 22:1-6, encontramos como os pais devem fazer com os filhos. Devem ensiná-los , desde pequenos, como devem caminhar. Os pais, em Dt. 6:6-9, são exortados a aproveitar todas as oportunidades para ensinar aos filhos os caminhos do Senhor. Cabe, pois, ao pai, como sacerdote ensinar aos filhos os caminhos do Senhor. Mas, também, cabe ao pai, como intercessor, clamar a Deus pedindo a proteção para o lar, como fazia Jó, constantemente. Vide, também, Salmo 127;

b) Um lar é inabalável quando o amor é praticado – Para duas pessoas viverem juntas, através dos anos, é necessário que haja amor. Mas o amor que aqui mencionamos é o amor de Deus, o amor independentemente daquilo que recebe, ou possa esperar. No texto de Mateus 19:3-9, os judeus perguntavam a Jesus acerca do divórcio. Moisés havia permitido o divórcio por causa da dureza do coração humano. Mas Jesus deixou bem claro que a separação só é permitida quando há adultério, mesmo assim, se quiser perdoar pode. Quando o homem ou a mulher se une com outra pessoa, no adultério, assim desfaz os laços do casamento. Mas quando o amor é praticado muitos casamentos podem ser salvos através do amor. Paulo aconselha até o crente não deixar o descrente, caso contrário os filhos seriam prejudicados, porque o crente santifica a sua descendência. Ainda continua o apóstolo Paulo o seu raciocínio: com a convivência, com o exemplo, o crente pode ganhar o seu cônjuge. Mas creio que é com o amor demonstrado que o crente pode ganhar o cônjuge descrente. O casamento só pode ser mantido através do amor(vide 1Co7:10-16; 13:4-7; Cl 3:18-21 e 1Pe 3:1-7);

c) O lar é inabalável quando o chefe procura e recebe a bênção do Senhor – No capítulo 27 de Gênesis temos o relato de Isaque abençoando os seus dois filhos, Jacó e Esaú. Deixamos de lado a maneira como que Jacó conseguiu a bênção do seu pai Isaque. Pensemos antes no fato de que Jacó sempre valorizou a bênção do Senhor que era ministrada através do pai nas famílias patriarcais. Em Gn 27:36, mostra que Jacó enganou o irmão por duas vezes: tirou o direito da primogenitura e usurpa a bênção do irmão. Jacó não importava como, mas o que importava para ele era receber a bênção do Senhor.
O Novo Testamento diz que Esaú foi profano quando trocou a sua primogenitura por um prato de lentilhas. Com isto somos levados a crer que Esaú era imediatista. Só pensava na hora. Naquele momento ele só pensou na sua fome. Desprezou a bênção da primogenitura.
No lar, no dia-a-dia, as pessoas muitas vezes só vêem o imediato. Em uma família há muito do que fazer e pensar em termos materiais. Mas o casal que busca um lar inabalável deve buscar a bênção do Senhor sobre todas as coisas.
Jacó, mesmo usando métodos errados, demonstrou que buscava a bênção do Senhor. Há muitas etapas na vida de Jacó, mas em todas ele buscou a bênção do Senhor, como em Betel e no vale de Jaboque. Por esse motivo seu lar tornou-se inabalável e através de um de seus filhos não só seu lar foi preservado, mas todo o mundo de então, através de José, seu filho.

Conclusão: Numa sociedade onde o inimigo procura destruir os lares através de todos os meios, aquele que busca a proteção do Senhor, que exercita o amor, que é fruto do Espírito e, que busca, sobre todas as coisas, a bênção do Senhor, pode construir um lar inabalável, praticando os princípios da Palavra de Deus.

“Um dia nos átrios do Senhor vale mais que mil... Prefiro estar às portas da Casa de meu Deus ...” – Salmo, 84:10.

Amados! compareçam à Casa do Senhor, nos domingos de manhã, vamos aprender juntos a Palavra do Senhor para tornarmos inabaláveis em todas as situações.

Amém!

Irmão Luiz Carlos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário